Respirante em ebulição.

Luiza Sarmento, Brazil

13.11.07

Traição

Traição



À meus pés cavei esse abismo

Cada corda que me acena

Acende a possibilidade,

A proposta obscena

De me balançar sobre outra realidade

De me içar do fundo de minha verdade.


A cada investida

Uma alegria não, plena;

Mas travestida de obviedade:


Do ranger da corda,

Do rachar da borda,

Da cara da realidade.


Desse abismo de pedras, que ignoro,

Por que acho que na verdade, adoro

A certeza do não

O imperativo do chão.


Passando pela vida a dar de ombros,

Ano,

Após ano,

Num sono entre escombros,

De um corpo mundano.



Um comentário:

Cristina disse...

Se atira nesse abismo que é só seu! Mergulhe de cabeça, produza e não peça resgate. Saia dele no momento certo e sozinha. Aproveite oq ele pode te oferecer de melhor: suas belas palavras. Grite e ecoe talento, transborde suas emoções. Beijos, Kiki